Agradecemos por você nos visitar e nos seguir diariamente...

sábado, 22 de maio de 2010

Relatos de Keith Marrone - Episódio 3

Na Pista com Henry Castelli

A estrada é otima pra tirar qualquer um do marasmo. Eu adoro! As coisas acontecem. É só saber olhar! Paqueras e paqueras... Perigo sim, mas o acaso sempre me protegeu.

Dia desses, chegando próximo da minha cidade, um gatinho em outro carro me olhou e, claro, correspondi. Ele era um tipo Henry Castelli. Muito gato! Brincamos de passa um e passa o outro, ele fez sinal pedindo pra eu encostar. Queria meu celular. Como estava chegando, fiz sinal que sim. Encostei na entrada da cidade, ele entrou no meu carro, já me beijou na boca e não deu outra, motel. 

O cara era de babar! 27 aninhos! Fez coisas comigo que eu nem sabia que se podia fazer. Do tipo flexão de exército onde minha menina era o chão dele. E que músculos! Bem modelo de folhinha de propaganda daqueles calendários de gatos sarados. Com ele foi a primeira vez que o preservativo estourou antes do vulcão entrar em erupção. 

O cara a pêlo em pé na cama olhando pra mim, é uma imagem que não vou esquecer!

Bom, ele mora em uma cidade vizinha. Descobri depois que o cachorro era casado! Ele tem uma lojinha onde fica sozinho. Então passei a judiar dele. Entrava na lojinha sempre de manhã cedinho, pouco movimento, ele me colocava num cantinho e eu sempre dava uma chupeta e parava antes do final. Ele ficava estarrecido comigo. Eu dizia: "cachorro, é pra pagar não ter me contado que era casado!"

Se não era uma chupeta, era pelo menos muitas bitoquinhas. Sempre na possibilidade da mulher dele aparecer... o que deixava a brincadeira muito mais gostosa.

Ainda nos vemos, mas raramente. Dia desses, eu caminhando no calçadão, ouvi um voz atrás de mim, que disse: "essa retaguarda eu conheço!" se aproximou me deu duas bitoquinhas e um selinho, bem ali na rua. Adoro esse risco. Já se vão dois anos dessas brincadeiras...

Ainda não comentei com vocês, mas a cada encontro com qualquer um dos meus, eles querem saber detalhes do que tenho feito com os outros. Detalhes mesmo. Tudinho! E quando conto uma coisinha que eles não conhecem, ahhh... é fato: querem fazer e fazer melhor, sempre aquela insegurança... "será que ele é melhor que eu?"

Mas eu sempre dou aquela famosa frase: "a vampira é melhor que todos!" rsrsrrs

Mas ainda não é hora de falar sobre a vampira.
Quem sabe na próxima.

Beijinhus da sua

Nenhum comentário:

Postar um comentário